Relato de Nelson Vieira

O Caminho é um reencontro, uma retrospectiva e a restauração de alguns valores, alguns aprendizados que estavam guardados em algum lugar dentro da nossa mente ou do nosso coração. Reaprendemos a valorizar coisas simples como cada passo dado, cada metro percorrido, o sol que nasce para iluminar e esquentar nosso caminho, a chuva que refresca, o verde e as flores que embelezam o visual e amenizam a dor e as dificuldades, o canto dos pássaros que nos remetem a reflexão e a apreciação do belo, enfim, coisas que preservamos da nossa essência, deixamos de exercitar em algum momento da vida é só precisávamos de um impulso e de um lugar especial para resgatar.
O Caminho é difícil e árduo, como a vida, ensina que para alcançar o objetivo, para encontrar as respostas é preciso atravessar suas estradas pedregosas, as montanhas íngremes, enfrentar a chuva e o frio, superar a dor física que cada dia se mostra em uma parte do corpo, superar a ansiedade e a vontade de desistir, enfim, não é simplesmente caminhar, é superar seus medos, aflições, se entregar de corpo e alma. Alguns fazem em 10 dias, outros em 30 dias, alguns nunca chegam no final, não significa que todos os que chegam encontram suas respostas, pois o Caminho é muito pessoal e solitário.
O Caminho é peregrinação e como diria Paulo Coelho em seu livro: “é o caminho das pessoas comuns”, pessoas do mundo inteiro, cada qual buscando suas respostas, buscando superar seus limites, mas sempre compartilhando seus sorrisos, seu idioma, seu conhecimento, seu abraço e principalmente sua energia e corrente do bem ao simplesmente pronunciar 2 pequenas palavras: Bom Caminho. No penúltimo dia de nossa peregrinação ficamos em Padron, após celebrarmos o aniversário do Reiner (amigo alemão), paramos para tomar uma cerveja em frente à praça da igreja de Santiago na bodega do Pepe, curiosamente ali ficou muito evidente uma parte do Caminho, pois ficamos das 17:00 às 21:00 sem conseguir sair da mesa, pois passaram tantas pessoas de nacionalidades diferentes por aquela mesa que foi mágico, celebramos com germânicos, irlandeses, japonês, italianos, holandeses, brasileiros, portugueses.
O Caminho é uma corrente do bem, a energia sempre se renova e perpetua, todos somos um só, a vieira é uma ótima representação ao Caminho, pois independente de onde inicie, todos chegarão no mesmo lugar é com o mesmo sentimento de grande realização.
O Caminho sempre te mostrará o caminho, seja pelas setas amarelas que estarão em todas as partes, pelas igrejas e capelas que cruzarão ou pelas pessoas que nunca te deixarão sair da rota e tivemos prova disto em nosso caminho ao nos distrairmos em uma conversa, uma senhora em sua janela gritava em espanhol, vendo que não a tínhamos notado, gritou em inglês (please, please) e apontou que havíamos saído da rota e assim vimos em outras situações, o anjo sempre te guiará e te protegerá.
Lembranças do Caminho são várias: o cheiro das flores, da terra molhada, a energia das pessoas te desejando um Bom Caminho, a dor nos pés, joelhos e partes que nem sabia que doíam no corpo, a descoberta que o Caminho é algo simples e árduo, mas que traz lições importantes para a vida, muitas das perguntas já sabíamos as respostas, mas não queríamos encara-las e buscávamos uma maneira de fugir da realidade, criávamos desculpas ou outras fantasias.
Por fim, fiz o meu Caminho, encontrei as minhas respostas, exercitei minhas fragilidades, carreguei a minha mochila, compartilhei sorrisos, abraços, histórias e o mais importante, compartilhei o meu Caminho com uma pessoa mais do que especial e que escolhi para ser minha companheira por toda a vida. Foi árduo, foi doloroso, mas nunca pensei em desistir, pois era um sonho e um desafio. Foi mágico, especial e repetiria tudo de novo. Bom Caminho🙏🏻